Estou começando com o processo de re-postagem do blog, mas também irei continuar postando algumas boas novidades!

domingo, 27 de junho de 2010

Anacrusa – El Sacrificio (1978)


Formada na Argentina no ano de 1972, o Anacrusa faz uma fusão de ritmos folclóricos argentinos com o progressivo sinfônico, seu prmeiro dsco foi lançado um ano seguinte.El Sacrificio foi o terceiro LP do grupo, sendo o primeiro de uma dupla de discos que a banda gravou exilada na França, herança da ditadura no país.Destaque para a extraordinaria voz de Susana Lago. "El Pozo De Los Vientos", "El Sacrificio", "Sol De fuego" e "Los Capiangos" são alguns dos destaques deste álbum que combina folclore e modernidade.


01. El Pozo De Los Vientos.
E aqui estou novamente, escrevendo resenhas, é uma coisa natural e ‘saborosa’ pra mim. Então aproveito o espaço cedido pelo Museo pra recomeçar nem que seja esporadicamente meus textos, e não se assustem se os mesmos estiverem no progshine.com.
Anacrusa, recentemente descobri uma série de bandas argentinas sensacionais, e definitivamente este disco que aqui está é uma das gratas surpresas.A faixa de abertura traz a mescla da percussão regional, com uma dobra interessante de violino e guitarra.Saxofones também encantam os ouvidos para terminar uma abertura corretíssima.


02. El SacrificioEl Sacrificio
a segunda faixa, traz os vocais ardorosos e cheios de sentimento de Susana Lago, acompanhados de muito perto da guitarra enigmática, melódico e cheia de sentimento de Daniel Sbarra. Julio Pardo, responsável pela flauta, entra em cena com uma ótima melodia, e junto da sempre presente guitarra está o arranjo de José Luis Castiñeira de Dios para as cordas, mais uma vez o sinfônico de maneira triunfante ‘ ganha o dia’. Gostei da voz de Susana, um tanto desesperada.

03. Sol De FuegoPhillipe Pages
começa a faixa, um piano rasteiro, rápido, e o mais curioso, cercado das percussões que quem mora no sul está tão acostumado, a música tradicionalista do Sul do brasil bebeu muito nos ares dos pampas argentinos. Para quem nunca ouviu nada, vale a pena prestar atenção em um conhecido nome gaúcho, Renato Borghetti ouçam e entendam um pouco no site do cara, genial!

04. Quien Bien Quiere
Vocais mais calmos, sentimentalistas, olhando o horizonte musical, aberto para novas empreitadas e novos sons, e a banda acompanha tudo de forma magistral, orquestração e muito regionalismo misturado com a música secular.Quando a bateria de Jorge Trasante chega a música ganha ares de Kashmir (Led Zeppelin) por um curto período.

05. Homenaje A Waldo
Logo a quinta faixa do álbum toma conta dos nossos corações, e o piano capitaneado por Phillipe se junta ao violino, ao oboé de Bruno Pizzamiglio e a percussão, calma, contemplativa e livre de maldades, pelo menos temporariamente.No momento ‘Astor Piazzolla‘ da música Juan Mosalini comanda a gaita (também conhecida como sanfona por aqui) que leva a melodia ainda mais fundo dentro de nossas almas.A partir do quarto minuto é que a música toma ares progressivos, logo se ‘infiltrando’ dentro do Tango.

06. Los Capiangos
O sentimento da faixa anterior ainda está por aqui, mas com a percussão tomando um lugar de destaque junto ao piano e flauta.Um dos pontos principais do álbum, é que a guitarra, sem mais nem menos, de repente, entra e muda o som, não interferindo na melodia, mas sim transformando-a de maneira subjetiva, inclusive com um pequeno trecho de sintetizador enfeitando o som.

07. Tema De Anacrusa
O épico do álbum começa pesado, não no sentido ‘rock’, e sim o peso do grave, com a orquestra dando um toque ainda mais misterioso e passional.A faixa tem seu andamento por diversas vezes alterado em virtude da ação necessária.Início do segundo minuto, flautas, orquestra ainda mais complexa, e um delicioso solo de oboé, musicalidade a flor da pele e uma naturalidade completamente diferente de tudo que se ouve normalmente em nossos discos sinfônicos tão amados, as vezes o simples fato de mudarmos de ares é enriquecedor e reconfortante.

Arrebatadora, singela, tão calma e confortável em seu tema central. Extremamente passional, encantador, e um alimento pra alma que necessita de calma e paz interior, é um chamado ao coração, um tema quase jazz. A vocalização logo após no nono minuto de música vem em conjunto com uma melodia cortante e saudosista, por vezes louca em sua essência, porém, com a pureza dos deuses.E o disco acabaria de forma empolgante, cheio de coragem e energia, vindas do novo tema. A orquestra novamente dá muita força ao tema, no minuto final a guitarra reaparece pra deixar os trilhos de fumaça novamente em seus lugares.E assim acabaria um disco excelente!

08. Los Capiangos (bonus)
Porém, existe um tema bônus, que eu não sei ao certo de que gravação saiu, sei que é de 1975 a gravação, porém não sei ao certo se a faixa é uma gravação ocasional ou uma sobra do disco anterior.Com baixo grave e uma certa melancolia a faixa é um bom extra, com flautas e piano segurando o ritmo, enquanto o sintetizador trabalha bem costurando melodias.
Texto: Diego Camargo

01. El Pozo De Los Vientos – 3’10
02. El Sacrificio – 3’17
03. Sol De Fuego – 3’30
04. Quien Bien Quiere – 2’47
05. Homenaje A Waldo – 5’21
06. Los Capiangos – 5’18
07. Tema De Anacrusa – 13’06
08. Los Capiangos (bonus) – 5’22

José Luis Castiñeira de Dios – arranjos e direção musical
Susana Lago – voz e teclados
Julio Pardo – flauta
Bruno Pizzamiglio – oboé
Daniel Sbarra (Abuelo Et Nada) – guitarra
Jorge Trasante – bateria e percussão
Juan Mosalini – gaita (sanfona)
Phillipe Pages – teclados



ou

Um comentário:

Romeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.